terça-feira, 3 de junho de 2008

Uma janela para imagens e reflexões sobre o tempo


Abaixo, a heliografia de Joseph Niépce de 1826; e acima, uma das imagens de Marte, de 1965. Com um intervalo de quase 140 anos entre as duas imagens, a paisagem da janela, seja ela de que mundo for ainda tem sido um dos maiores interesses da humanidade em todos os tempos.



Este blog pretende ser um espaço para tratar de lembranças e de esquecimentos. E justamente por se tratar de fragmentos do tempo e da memória é que as primeiras imagens aqui publicadas são marcos na história da fotografia.
Uma é considerada a primeira ‘fotografia permanente do mundo’, conseguida após inúmeras e exaustivas tentativas do francês Joseph Niépce para registrar a paisagem da janela do seu quarto nos arredores de Paris, no verão de 1826. O processo, batizado por Nièpce como heliografia (ou grafia da luz solar), dependia de longos tempos de exposição em placas de estanho recobertos com verniz de asfalto, conhecido como betume da Judéia, já utilizando as câmeras escuras fabricadas pelos famosos irmãos Chevalier, óticos franceses. Resultado de oito horas ininterruptas de exposição, este único ‘clique’ registra os claros e escuros de uma combinação intrigante entre luz e tempo. Nenhuma imagem impressa antes tinha sido tão técnica, e ao mesmo tempo tão abstrata como esta. Jamais o mundo recebeu tal representação assim, fruto da combinação entre a engenhosidade humana e seus meios mecânicos, com a mágica da grafia da luz sem a dependência direta das aptidões de um desenhista para representá-la. O deslocamento das sombras dos telhados em frente à janela de Nièpce inaugura um novo olhar sobre a relação do homem com o tempo, e apesar da precariedade dessa imagem frente aos registros posteriores de Daguèrre, - este sim considerado o pai do processo que conhecemos hoje como fotografia,- esta vista da janela do sótão em Charlons-sur-Saône de Nièpce representa o início de um debate sobre o que de objetividade e ficção existe na linguagem fotográfica.
A segunda foto é também coincidentemente uma espécie de vista de janela, e apesar de também uma imagem monocromática precária, foi, ao seu tempo, um divisor de águas, ou melhor, de luzes no que se refere às técnicas fotográficas. Trata-se de uma das 22 imagens da superfície de Marte feitas por uma câmera de televisão a bordo da sonda Norte americana Mariner 4, em 1965. Consideradas como as primeiras fotografias sem o uso de filme, apesar de não serem produzidas por meios puramente digitais são instantâneos realizados remotamente (com transmissão interplanetária) sem a necessidade sequer de um astronauta para acionar o disparador da máquina. O grande avanço possibilitava um ganho na rapidez do processamento da imagem, uma vez que dispensava a necessidade de ter que retornar do espaço para revelar o filme e ampliar as cópias. Apesar de pequenas para os padrões atuais, a transmissão das fotos com pouco mais de 0,04 megapixels levou aproximadamente quatro dias para chegar à Terra. Das oito horas de Nièpce para os quatro dias de transmissão das vistas de Marte da Mariner já se vão mais de 100 anos. Mudaram os meios, os olhos, os temas, mas o desejo pela perpetuação de como vemos o mundo a nossa volta permanece.
Sejam quais forem os autores, os períodos e temas, a fotografia é o foco principal deste espaço que, espero, receba contribuições dos amigos e interessados nos assuntos postados aqui. Vamos em frente!

9 comentários:

Aldo disse...

Show de bola Flavynha!!! Quero ver o que vai sair daí! Pegou rápido as ferramentas de blog, hein?

Flavya Mutran disse...

Obrigada pela força Aldaço. Taí, mais um desafio e dúvida: se responde comentário? Aqui mesmo no blog ou direto para o e-mail da pessoa? Vixe, tantas dúvidas...
Quanto às novas postagens vai depender muito da inspiração e, quem sabe da sugestão de temas dos amigos. Topa sugerir alguma coisa?
Meu sonho, agora é tentar ser tão produtiva quanto tu no cine críticas. Cara, onde encontras tanto fôlego? ;-)
Bjs

Bina Jares disse...

Alfafa, tchananna...
Alfafa, tchananan...
Alfafa, tchananan...

Lauro disse...

Não tirarei os olhos desta sua janela, pois, tenho certeza que encontrarei aqui, belas imagens e reflexões importantes sobre o tempo que ora mostrarão sua cultura e formação, ora planejarão nosso futuro. Sou seu fã número um.

jbibas disse...

Legal o Blog, o exercício do blog...

Bom o tema das lembranças e deslembranças. Memória é um bem que proporciona alianças e não as destrói. Como poderia ser o futuro
desprovido de memória? Não sei bem qual a distância entre a memória e o esquecimento.

Para alguns, memória significa o passado, apenas – coisas de museus, não dizem assim? Para outros, representa as fundações daquilo que será edificado no futuro. Para mim, uma obsessão.

Construímos(?) os "lugares de memória" (Nora), a custa de imagens, escritos ou de outra forma qualquer de vestígios que se consolidam com a arqueologia do tempo em gritos, sussurros, arrepios, silêncio...

Acho que a construção desse espaço (íntimo) do chamado ciberespaço será também, uma forma de encontro e organização dos teus "lugares de memória".

Parabéns, Flavya.

[jb]
----

Vânia Leal disse...

Flavyta queridíssima..tua janela é como você..composição equilibrada, cores reflexivas e presente de um humor inteligente que te é peculiar. Refletir sobre imagens e tempo me remeteu ao Riobaldo do Grande sertão que pontuava a lembrança da vida da gente que se guarda em trechos diversos, cada um com seu sígno e sentimento, uns com os outros acho que nem não misturam. Tem horas antigas que ficaram muito mais perto da gente do que outras, de recente data. Você propõe esse devir através do olhar. Gostaria de sugerir uma imagem da série "Quase Memória", iria costurar legal com as imagens iniciais. BJS, sou sua fã nº 0
VÂNIA LEAL

Val-André Mutran disse...

Bom! O mural então é por aqui.
Gostei do lay-out, mas, gostei mesmo foi do perfil. Mais Flavya impossível.
Pudera! É Flávya por Flávya.
MAnda ver mana.
Bjs.

Val-André Mutran disse...

Ah! Diferente do orkut e outros uts. O blog é espaço de fruição permanente.
Quanto mais postar, mais audiência.
Se for possível atualize-o pelo menos uma vez por dia, senão o rankeamento fica comprometido.
Bjs.

José WILSON MALHEIROS da Fonseca disse...

Alô, amiga, um abração para você. Que todos seus sonhos sejam realizados.